Ataques em Cloud podem causar mais prejuízos do que furacões

O ano de 2018 mal começou e já temos sinais de que segurança em TI será um dos focos principais de investimento para qualquer empresa que deseje não ter prejuízos neste ano. Isso porque o número de ataques cibernéticos cresceu assustadoramente em 2017, pois os hackers perceberam que a maioria das empresas não se protege sequer contra as vulnerabilidades mais simples.

O WEF (World Economic Forum) classifica os ataques cibernéticos como um dos três piores riscos à sociedade, juntamente de climas extremos e desastres naturais, isso foi o que apontou o Global Risks Report de 2018, revelado no dia 16 de Janeiro.

WEF cita que um ataque cibernético contra um grande provedor de serviços de nuvem, como a Amazon, por exemplo, poderia gerar mais prejuízos do que uma catástrofe natural, como um furacão. A Global Risks Report estima que derrubar um serviço em nuvem poderia gerar prejuízos de mais de 120 bilhões de dólares.

No ano passado, os ataques cibernéticos, como o Wannacry, sofridos em todo o mundo totalizaram um prejuízo de mais de 1 trilhão de dólares, enquanto que furacões famosos por seu poder de devastação, como o Katrina em 2005, geraram prejuízos de mais de $100 bilhões.

Furacão Katrina em seu pico de força.
Furacão Katrina em seu pico de força.

Tais comparações podem parecer absurdas, pois as vidas perdidas em catástrofes naturais são imensuráveis, porém tais comparações são interessantes do ponto de vista analítico, pois servem para colocar em perspectiva o enorme impacto econômico que hackers podem ter na sociedade através de ataques que passam quase invisíveis aos nossos olhos. Vale ressaltar também que ataques maliciosos a grandes centros de saúde, por exemplo, também causam perdas humanas indiretamente.

Na semana passada bancos no Brasil foram alvo quase que exclusivo de uma ameaça nomeada Zumanek. Apesar de não ter sido um ataque com repercussões notáveis, tal ameaça já revela quais são as intenções dos cibercriminosos e o possível cenário ameaçador para empresas no Brasil durante esse ano.

Porém, o prognóstico em segurança para 2018 parece bom. Já tivemos uma importante melhoria na segurança wireless com o WPA3, além de um aumento considerável em investimentos feitos a empresas com produtos e serviços especializados em cibersegurança, como a IBM e Cisco Systems, e mesmo empresas emergentes nesta área tem recebido atenção de investidores na bolsa de valores, conforme revela a Investing News Network (INN).

Contanto que as empresas revejam suas políticas de segurança e se mantenham atualizadas nas proteções contra as ameaças mais simples como o ransomware, poderão evitar a maioria dos ataques que já estão acontecendo neste primeiro mês do ano.

A Ten Sistemas e Redes conta com uma equipe especializada e empresas parceiras na área de segurança em TI. Fale com a gente e saiba como podemos ajudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *